Tratamento

Quanto mais precocemente iniciar-se o tratamento maiores serão as chances de controle da doença e repigmentação.

Doença com muitos anos de evolução e com grandes áreas de despigmentação torna o tratamento mais difícil. O motivo seria a destruição total dos melanócitos nas áreas afetadas.

De um modo geral a repigmentação ocorre principalmente por ativação e migração dos melanócitos provenientes dos folículos pilosos próximos ou dentro das áreas despigmentadas.

Tipos de Tratamentos

Os tratamentos abaixo descritos devem ser sempre indicados e acompanhados por um dermatologista. Os resultados são individuais e exigem uma estratégia de terapêutica variável para cada paciente.

Corticosteróides

Podem inibir a ação de anticorpos contra os melanócitos. Usados por via oral, tópica, intralesional ou intramuscular. Se usados indiscriminadamente podem levar a efeitos colaterais.

Novos Imunomoduladores Tópicos

Têm sido usados com sucesso relativo em algumas regiões atingidas, em formas mais localizadas da doença.

Puvaterapia (Psoraleno + Ultravioleta A)

O produto fotossensibilizante pode ser usado por via oral ou tópica e a irradiação pode ser natural (sol) ou artificial (cabines ou painéis com lâmpadas de ultravioleta A), iniciadas em baixas doses e aumentadas gradativamente de acordo com a reação do paciente. Requerem rigoroso controle de tempo de exposição.

Fototerapia com UVB (Ultravioleta B) Banda Estreita (Narrow Band)

Induz ao aumento da capacidade enzimática, hipertrofia e proliferação dos melanócitos. Reduz o tempo de tratamento e não requer uso de fotossensibilizantes, reduzindo custos e efeitos colaterais.

Transplante de Melanócitos

Indicado apenas em casos resistentes ao tratamento clínico, em áreas pequenas (vitiligo localizado) em quadros estáveis há cerca de 2 anos. Consiste na retirada de fragmentos de pele (transplante de pele) de regiões aparentemente normais, com maior concentração de melanócitos, transplantados para as áreas com manchas. Várias técnicas diferentes são usadas porém as indicações são restritas (indicada apenas em pequeno número de casos). Contra indicada em pessoas com tendência à cicatrizes hipertróficas ou quelóides. Efeitos indesejáveis incluem cicatrizes inestéticas, pigmentação irregular e recidiva das manchas.

Proteção Solar

Como as manchas de vitiligo têm falta de melanina o sol pode causar danos à pele como queimaduras graves, necessitando proteção solar adequada. O sol porém pode, por indicação médica, ser usado no tratamento do vitiligo, inclusive para aumentar a síntese de vitamina D.

+ Tratamentos